• 23 NOV 17
    • 0
    Lutando contra o câncer infantil

    Lutando contra o câncer infantil

    As crianças são conhecidas pela vitalidade e energia que possuem, elas brincam, pulam e correm o dia todo. Por esse motivo, quando algo muda no comportamento dos pequenos os pais devem ficar de olhos abertos. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), os tumores representam a primeira causa de morte por doença entre crianças e jovens de 1 a 19 anos. Até o final de 2017, a estimativa é que sejam contabilizados 12,6 mil novos casos somente no Brasil.

    Poucas pessoas sabem, mas o câncer infantil é mais agressivo e invasivo quando comparado a tumores diagnosticados em adultos. Na maioria dos casos, os sintomas são difíceis de ser reconhecidos e facilmente confundidos com os de outras condições, o que provoca atraso no diagnóstico.

    O cenário pode soar desanimador, mas existe um lado positivo: pelo mesmo motivo que o câncer infantil é agressivo, as chances de cura também são altas. Isso acontece porque as doenças da infância, caso da leucemia linfoide aguda (LLA), têm uma característica que as torna mais responsivas a certos tratamentos. A LLA ataca os glóbulos brancos e faz com que as células doentes se multipliquem mais rápido, e são justamente essas células em constante proliferação que respondem melhor à quimioterapia.

    Pais e responsáveis devem prestar atenção a sinais e sintomas que podem ser confundidos com outras doenças comuns à infância, por isso, o cuidado deve ser reforçado. Dores de cabeça diárias matutinas acompanhadas de vômito, alterações no equilíbrio, na visão, no andar, convulsões, presença de ínguas frequentes, perda de peso significativa, assim como a criança que deixa de brincar e só quer ficar deitada, também podem sinalizar que algo não vai bem. Por isso, consultas periódicas com o pediatra são de extrema importância, informando sobre qualquer alteração no comportamento ou no corpo da criança, como as já citadas, além de anemia, febre constante, dor óssea, entre outras.

    Deixe uma resposta →